Categorias
Desenvolvimento Infantil

Anamnese: Como incluir a família nesse processo.

A Anamnese é o momento em que recebemos, acolhemos e conhecemos a família e sua história. Vou falar de cada um desses 3 passos a seguir:

Receber: é importante ter um ambiente organizado, papel e caneta prontos (ou computador se você preferir). Nesse primeiro dia eu marco somente com os pais e responsáveis, e já já você entenderá o por quê.

Acolher: chame a mãe ou o pai pelo nome, pergunte como está a criança (pelo nome também), se foi fácil chegar, se está tudo bem. Acolha! É tão bom se sentir bem querido, sentir que sua presença é importante e querida ali naquele espaço.

Conhecer: agora é a hora em que você conhece a família e sua história. Tudo. Desde os dados iniciais (nomes, endereço, contatos) e na sequência a história da família (gestação, parto, pós parto, desenvolvimento neuropsicomotor da criança, primeiros sinais de atraso, os principais Marcos do desenvolvimento até ali, médicos que os acompanha, profissionais que já fazem parte da equipe, rotina da criança e da família, preferências, comportamentos inadequados) e após registrar essas informações é muito importante a gente saber quais são as principais queixas da família, o que a levou até você, e quais as principais expectativas dessa família com relação ao seu trabalho.

Perceba, que após seguir esses 3 passos você já começou a construir o seu vínculo com a família, e a sua Anamnese é o que vai te dar todo embasamento para decidir quais instrumentos de avaliação irá utilizar.

Então vou deixar aqui uma sugestão de tarefa: se você ainda não tem uma anamnese padronizada sente e escreva tudo que você considera importante saber sobre aquele paciente.

No próximo atendimento a criança participará, então quais informações você precisa saber para preparar um ambiente agradável para sua construção de vínculo com esse paciente?
Se você souber quais personagens, músicas, brincadeiras essa criança prefere você poderá dispor desses recursos para começar a avaliar essa criança.

Um exemplo:
Se a criança gosta do Bob Esponja, você pode ter esse personagem disposto na sua mesinha, pedir que a criança pegue o brinquedo, avaliar se a criança obedece a comandos simples, se reconhece objetos de preferência, se os utiliza de maneira funcional, se interage, se aceita sua participação e a troca de turno (minha vez, sua vez).

Viu? A Anamnese é fundamental. É um dos pilares mais importantes nessa construção.
E eu gosto de atender somente a família nesse primeiro momento por que preciso ter a atenção focada em tudo que eles tem a me dizer, e na maioria dos casos esse é um momento de muita dor, já que algumas famílias que nos buscam para a Intervenção Precoce chegam logo assim que notam sinais de Autismo ou após receberem o diagnóstico, e esse é um momento de dor e de luto para a grande maioria dos pais. Receber o diagnóstico é um processo desafiador. Então eu prefiro que esse momento seja “só nosso”.

O que achou? Comente aqui.